Big Data oferece oportunidades para atração e seleção de jovens talentos - Clave Consultoria

O Brasil é um dos países onde mais se recruta jovens talentos. É o que afirma uma pesquisa realizada pelo LinkedIn com mais de 4 mil líderes de recrutamento, em 31 países. Das 198 empresas brasileiras que participaram da amostra, 87% afirmaram que recrutam estudantes e recém-formados, enquanto a média global ficou em 79%.

A amostra também apontou atributos das empresas que atraem os jovens talentos: bom relacionamento com colegas e superiores e segurança. No entanto, os líderes de recrutamento que participaram da pesquisa acreditam que plano de carreira, desenvolvimento profissional, cultura, horário de trabalho flexível e oportunidade de mobilidade interna seriam os fatores de maior atração de estudantes e recém-formados.

Um processo evolutivo no cenário nacional

Uma outra tendência apontada pela pesquisa do LinkedIn pode ser a chave para evitar essa divergência de percepções: o uso adequado de dados, ou o Big Data. Apenas 33% dos líderes de recrutamento no Brasil consideram que suas organizações fazem bom uso dos dados para compreender a eficiência da atração de profissionais.

As empresas globais usam os dados principalmente no planejamento da sucessão da força de trabalho. O Brasil também usa esses dados para garantir a conformidade com as leis trabalhistas. No entanto, o Big Data permite que as empresas extraiam informações preciosas para os processos de recrutamento, especialmente no que diz respeito ao comportamento dos talentos que elas procuram.

É importante saber, por exemplo, de que forma os jovens profissionais são impactados por ofertas de emprego. A pesquisa do LinkedIn dá uma pista: é cada vez maior o número de candidatos que descobrem e se candidatam a vagas por aparelhos de dispositivos móveis e através das redes sociais.

O uso desses dispositivos é muito comum às novas gerações de profissionais. E quanto mais conectados, maiores são as chances de obter dados sobre o comportamento do candidato. “Estes dados são ricos para uma captação cada vez mais assertiva e direcionada. Cruzar dados de comportamento e valores dos candidatos com os da empresa e da vaga é a tendência do social recruiting”, avalia Naira Ferreira, sócia da Clave Consultoria.

“Os dados de perfil, dos potenciais candidatos à uma vaga, podem ser usados para medir a aderência destesa mesma, melhorando significativamente a assertividade da escolha. Em um mundo cada vez mais digital e em constante mudança o uso da informação para tomada de decisão é um diferencial competitivo fundamental para as corporações”, segundo Luis Fernando Gracioli, sócio da Clave Consultoria.